Altiplanos Andinos - ago/set 2013

No Brasil

Depois de 24 dias entre a Argentina, Chile e Perú, voltamos ao nosso Brasil. De cara sentimos a diferença, logo após   passarmos pela alfândega no Acre caímos num buraco. Por que é tão difícil para os governantes e as empresas construírem estradas perfeitas e duráveis como nossos vizinhos sul americanos?

Ano passado em Pucon no Chile conhecemos os paulistas  Marcelo, sua esposa, filho e nora, ficamos amigos e ele me fez um convite “quando passar por Rondônia onde tenho uma fazenda, terei o maior prazer em receber vocês”. Convite feito e como passaríamos por lá entrei em contato com ele, mas infelizmente o Marcelo estaria numa pescaria no Pantanal.

Nosso anfitrião foi seu filho Rafael tão gente boa quanto o pai e o irmão Ronaldo que conhecemos em Pucon.  Grande abraço no Rafael e no Pedrinho mais dois amigos que ganhamos nesta viagem.

Saindo do Perú (país).

Entrando no Brasil

Triste cartão de visitas.

Este martírio se fez presente durante muitos kilometros.

Esta foto foi tirada em 2012 em Pucon no Chile com o Marcelo e sua família.

Rafael nosso ainfitrião e novo amigo em Vista Alegre de Abuda (RO).

Fazenda do Marcelo onde participamos de um delicioso churrasco.

Catarinenses, paranaenses, paulistas e mineiros num dia inesquecível em Rondonia.

Momentos antes de atravessar o Rio Madeira.

Foi um ótimo achado depois de passar por Cuiabá, dica do Sr. Osmar do Hotel Palladium em Pontes e Lacerda.

Um gostoso banho em águas termais.

Quem me conhece sabe que esta água está bem quentinha.

Cusco ao Brasil

Saímos cedinho de Cusco,  tínhamos pela frente 691 km até Assis Brasil no Brasil, no meio do caminho tínhamos mais uma vez a Cordilheira dos Andes e belas paisagens com certeza iríamos ver.

 

Não deu outra,  como sempre as cores são únicas, é a terceira vez que transpomos estas montanhas e as emoções são as mesmas, é tudo muito bonito.

Novamente a Cordilheira dos Andes pela frente, desta vez no Perú.

De repente uma pastora com suas ovelhas

A princípio um contato meio tímido.

Depois de uns presentinhos toda a família posa para uma foto.

Chegamos na parte mais alta da cordilheira neste ponto, daqui para frente é só descida.

Do outro lado da cordilheira já na Amazônia Peruana, é hora de tirar a roupa de frio e colocar uma bermudinha que ainda não usamos  nesta viagem.

Colaboradores: