Adeus sul do Chile que venha o norte

25/08/2015 a 07/09/2015

Subimos rápido pela Ruta 5 rumo ao norte do Chile deixando para traz grandes amigos e belas paisagens. Sabíamos o que vinha pela frente pois já fizemos parte do percurso até o norte do Chile em 2013 (no link viagens - Altiplanos Andinos).

A paisagem muda rapidamente depois de Santiago e o deserto começa a mostrar a sua cara. Eu gosto a Claudinha fica melancólica.

Incrível como há vida em tudo.

De repente uma praia deserta margeia a estrada.

Vimos uma placa indicando Observatório. Subimos a serra e lá estava o Observatório do Cerro Paranal, é o conjunto complexo de telescópicos mais produtivo do mundo. Infelizmente as visitas são agendadas pela internet e acontecem somente aos sábados.

Como era quinta feira, resolvemos então fazer nosso almoço ali mesmo e a Claudinha me convenceu passar a noite  para vermos as estrelas já que o nível de poluição é zero e a iluminação artificial não existe. Só que não poderíamos ficar ali estacionados o dia todo muito menos passar a noite.

Não tem problema, afastamos algumas centenas de metros e montamos nosso acampamento ali mesmo.

Neste observatório está o telescópico Vista que é o maior telescópico de rastreamento do mundo com um espelho de 4,1m de diâmetro.

A noite foi caindo e um milhões de estrelas apareceram no céu, valeu muito a pena termos ficado todo o tempo alí esperando.

Igual terminou, o dia amanheceu no Deserto do Atacama, sem palavras.

Chegamos a Antofogasta e rapidamente passamos pelo centro chegando a Lá Portada, uma imagem maravilhosa das falésias.

Também temos no Brasil nossa Pedra Furada no Morro da Igreja em Urubici (SC).

Chegamos a Mejillones, uma pacata cidade a 60 km depois de Antofogasta. Passamos aí um delicioso final de semana, não fazendo nada.

Iniciativa bacana da Marinha do Chile, reuniu crianças da comunidade e fizeram um mutirão para a limpeza da praia.

Nossa intenção seria subir até Arica margeando a costa, mas devido a fortes chuvas que caíram  no deserto, isso mesmo chuva no deserto mais seco do mundo há 5 meses, parte desta estrada estava bastante danificada devido aos aluviões que desceram das encostas. Por isso tínhamos de subir até próximo de Calama para seguir viagem a Iquique. Espera aí...próximo de Calama também é próximo de San Pedro do Atacama que quando lá estivemos em 2013 nevou bastante, isso mesmo nevou no deserto mais seco do mundo, interrompendo nosso planejamento para conhecer algumas maravilhas da natureza. Claro que rumamos para San Pedro.

A caminho de San Pedro de Atacama

 

 

 

 

 

Colaboradores: